Programas para o Windows 7 e superior

⇐Melhores programas e jogos para Windows: junho de 2015 [vídeo]⇒

↓↓programas para windows 7↓↓
— Junho chegou ao fim e está na hora de conferir as novidades mais legais entre programas e jogos para seu Windows. Na lista de hoje, temos como destaque o novo aplicativo de fotos da Google, a versão web do mensageiro Skype e o n7player, para você ouvir suas músicas favoritas com qualidade.

Além disso, a seleção também traz uma série de games de estilos variados para trazer diversão e agradar a todos os gostos. Confira!

PROGRAMAS

Indiloop

Indiloop é a dica que abre nossa lista de junho. Esta ferramenta permite que você crie remixes usando qualquer arquivo de áudio da internet, como links do YouTube. Seu editor é simples, gratuito e traz boas opções de configuração. As edições são feitas em diferentes níveis e você tem a liberdade de cortar, copiar e ajustar o volume das faixas. Um serviço intuitivo e muito interessante.

Google Fotos

O Google Fotos é a mais nova ferramenta da Google para você armazenar e organizar suas imagens. De forma segura e prática, este aplicativo é capaz de sincronizar dados com seus dispositivos Windows, Android, iOS e OS X, permitindo que você selecione quais pastas deseja manter na nuvem. O espaço de armazenamento é ilimitado e não interfere nos gigabytes que você já ocupa no Google Drive.

Skype Web

Um dos mensageiros mais utilizados no mundo finalmente ganhou sua versão web. Através do serviço Skype Web, você pode conversar com seus amigos por texto, áudio e vídeo, com todas as funções básicas necessárias para a comunicação. O serviço é simples e pode ser bastante útil, evitando que você precise instalar o aplicativo para acessar suas mensagens.

Emote.es

Emote.es é um serviço online que traz uma ampla biblioteca de emoticons para você utilizar nas suas conversas. Com ele, você pode enviar o conteúdo por mensageiros instantâneos ou até mesmo em uma página de internet, seja usando as imagens ou desenhos em Unicode. Não é necessário baixar ou instalar nada no seu computador, já que o app roda diretamente no navegador.

JOGOS

Dirty Bomb

Dirty Bomb é um jogo F2P que tem uma abandonada Londres de 2020 como plano de fundo. Depois de um desastre misterioso, milícias tomaram as ruas da cidade e disputam poder. São 12 personagens diferentes, além de mercenários adicionais para você controlar. O game oferece três modos de disputa, gameplay de qualidade e ótimo visual.

BeGone: WarLand 2

BeGone: WarLand 2 é um jogo FPS multiplayer que deve agradar a quem busca uma diversão rápida e sem muitos detalhes para se preocupar. Seu objetivo é eliminar todos os adversários, em times compostos por até cinco jogadores e combates frenéticos de dois minutos. Apesar de ser um jogo leve, o título traz bons gráficos, complementados por uma ótima trilha sonora.

Super Moto Racers

Se você é fã dos games de corrida, a dica deste mês é Super Moto Racers, um jogo com visual tridimensional em que você deve pilotar uma moto. Os percursos são estradas improvisadas na zona rural da cidade, com curvas fechadas e rampas que desafiam sua habilidade. À medida que ganha as competições, você pode evoluir aspectos de sua moto para se tornar ainda mais competitivo.

Counter-Strike Nexon: Zombies

Desenvolvido em parceria pela Valve e a Nexon, Counter-Strike Nexon: Zombies mistura toda a ação do mais popular título de FPS da História com a sanguinolência de zumbis. Os inimigos são rápidos e extremamente agressivos, exigindo concentração e tiros precisos para se dar bem. O título é gratuito e você pode comprar armamentos e equipamentos de proteção na loja virtual.

Glass Wing

Em Glass Wing, sua personagem é uma garota que foi arrancada de seu mundo e colocada em uma situação de risco. Agora, ela precisa encontrar uma maneira de retornar à sua terra natal, superando o seu inimigo, um demônio chamado Ferace. O game em estilo plataforma tem ambientações bem elaboradas, enredo envolvente e muitos desafios para você superar.

WINDOWS 8

n7player Music Player

Se você busca uma nova experiência para escutar suas músicas favoritas, deve conferir o aplicativo n7player Music Player. Ele conta com um visual arrojado, visualização da biblioteca de mídia em nuvem de palavras e um equalizador completo, permitindo que você controle com precisão a reprodução de áudio.

Catapult King

Catapult King é um joguinho de tiro ao alvo no qual você precisa salvar a princesa das garras de um terrível dragão. Para isso, você conta com um sistema de jogo que segue o mesmo estilo do popular Angry Brids, mas, em vez de um estilingue, você vai operar uma poderosa catapulta para destruir pontes, castelos e todas as estruturas do cenário. Quanto menor o número de tentativas, mais pontos você pode somar.

The Silent Age

The Silent Age é o título que fecha a seleção do mês de junho. Neste game, você tem uma série de missões para cumprir. Procurando as respostas para solucionar o mistério que assola seu local de trabalho, você verá sangue espalhado por todos os cantos. É possível interagir com objetos e coletar itens que podem ajudar você a sair dessa enrascada. Um game imersivo e com ótimo nível de dificuldade.

Os 6 melhores apps para substituir a galeria padrão do seu smartphone

Apesar de muitos celulares já vim com uma galeria integrada no celular muitas das vezes têm como opção alguns aplicativos mudarem esse estilo chato de galeria e renovar o visual do seu celular, cê você é daqueles que gosta de dicas renovadoras para o celular não perca mais essa dicas de como muda a galeria do seu android ou seja seu celular.

  1. Piktures (Android)

    Essa galeria é uma opção das mais robustas para o Android, contando com um visual impecável e várias opções de organização. Você pode acessar os álbuns por pastas, como na galeria nativa do sistema ou separar por data ou local. Se você deixa a geolocalização das suas fotografias ativada, ele separa automaticamente os itens de acordo com a cidade na qual você estava.

    Dessa forma, para acessar as fotos de uma viagem, basta deslizar o dedo para a esquerda e abrir a aba lateral, que traz álbuns automáticos. Você pode também ver as fotos tiradas por dia, basta clicar no calendário na parte de cima. O Piktures tem várias opções de personalização, que incluem ocultar álbuns privados da timeline e escolher o número de colunas da grade de fotos, por exemplo.

    Clique aqui para fazer o download deste aplicativo pela Play Store.

     

  2. Google Fotos (Android e iOS)

    Esta galeria pode ser acessada para ver as suas imagens offline ou, se você preferir, você pode usar o app para fazer backup de todas as fotos, de forma ilimitada, para economizar espaço no celular e manter os seus documentos seguros e sincronizados entre os seus dispositivos. Com este app você pode visualizar as fotos por álbum ou data, com um visual minimalista e cheio de atalhos por gestos.

    Além de mostrar as fotografias do seu aparelho, o Google Fotos também mostra os álbuns que você tem no G+. Isso já acontece na galeria nativa do Android, mas, com esse app, a interface para fazer isso é bem mais simples e intuitiva.

    Quando você sincroniza as suas fotos, este app sugere várias montagens e edições automáticas para as suas fotos, que você pode salvar ou rejeitar na coluna “Assistente”. As fotos que forem sincronizadas podem ser acessadas também pelo navegador, não apenas no aplicativo.

    O Google Fotos pode ser baixado pela Play Store ou pela App Store e é gratuito.

     

  3. MyRoll (Android)

    O MyRoll é um aplicativo para visualizar as suas fotos de um jeito especial: ele transforma imagens tiradas em um mesmo dia em álbuns que você pode editar e visualizar em forma de slideshow. Além disso, ativando o Modo Inteligente, ele mostra uma coleção com as suas melhores imagens e oculta da lista itens escuros demais, tremidos ou sem foco.

    Este aplicativo é gratuito, porém ele traz alguns banners que só podem ser retirados quando você compra a versão completa da galeria, que custa quase 10 reais. Para justificar esse preço, o MyRoll traz um sistema bem inteligente de organização e permite sincronizar também com os seus álbuns do Google, da mesma forma que o Google Fotos.

    O MyRoll pode ser baixado apenas na Play Store — uma versão para o iOS foi lançada, mas não existe mais na loja da Apple.

  4. QuickPic (Android)

    A principal vantagem do QuickPic é que, com essa galeria, você pode ver absolutamente todas as fotos que estão armazenadas no seu celular, não apenas as que são mostradas na galeria padrão. Por exemplo, se você usa o Telegram, pode ver as imagens e gifs recebidos, não apenas o que você mandou.

    Este app permite separar as suas fotografias por data ou por pasta. Dessa forma, você pode ver todas as imagens juntas em álbuns automáticos, o que facilita bastante se você quiser ver apenas os registros que foram feitos em uma viagem ou festa. Antes de compartilhar qualquer foto, use o editor integrado para cortar e fazer alguns ajustes.

    O QuickPic pode ser baixado na Play Store e é completamente gratuito, não possuindo itens pagos ou banners.

  5. Tidy (Android e iOS)

    O Tidy é uma coleção de álbuns completamente personalizável: você pode criar novas pastas para colocar coleções de fotos, pode autorizar a criação automática de álbuns por data e pode ver as suas fotografias em slideshow. Ele funciona completamente por comandos e gestos, sendo que um tutorial no começo explica tudo o que você precisa saber.

    Os álbuns são montados de forma automática, mas você pode mover fotografias de uma pasta para outra e criar novas pastas para organizar as imagens como você preferir. Por exemplo, é possível criar um álbum só para guardar os registros dos seus animais de estimação, sendo possível adicionar rapidamente qualquer foto nova lá.

    Você pode baixar o Tidy na Play Store e na App Store gratuitamente.

  6. PhotoTime (iOS)

    Essa galeria para o iOS promete ser a solução mais completa para o gerenciamento de imagens neste sistema operacional, funcionando de forma automática para criar tags e reconhecer os rostos nas suas fotos, de uma forma bem semelhante ao iPhoto para o Mac. Você não precisa colocar essas etiquetas manualmente, mas pode editar o que for preciso. Ele está disponível apenas para o iOS, mas os desenvolvedores prometem uma versão para o Android em breve.

    Todas as fotografias do seu telefone são automaticamente abertas no PhotoTime e você só precisa cadastrar os amigos uma vez; depois, o app reconhece os seus rostos mesmo que eles estejam em poses diferentes da original, já que ele conta com um poderoso sistema inteligente para isso.

    As tags automáticas conseguem detectar paisagens, objetos, pessoas, animais e vários outros itens nas suas fotografias. Com isso, o aplicativo coloca etiquetas para separar as capturas em categorias, bastando alguns cliques para que você consiga ver todas as imagens que possuam cachorros, por exemplo.

    Você pode sincronizar todas as imagens do iCloud, Facebook, Instagram, Twitter, Dropbox, Amazon Cloud, Flickr e Google+ em um só lugar! O PhotoTime pode ser baixado na App Store e é gratuito.

Tapioca

Tapioca

E não é que uma das coisas que as pessoas mais buscam aqui no blog (e não encontravam) é “como fazer tapioca“?

Antes de ensinar, vou apresentar essa senhora idosa para você conhecer melhor sua comida. Se estiver com muita fome, vá direto ao ponto lá embaixo.

Figurinha carimbada nas revistas e sites de dieta, a tapioca é muito mais antiga nas nossas mesas do que você pode imaginar. Todo mundo escreve sobre seus aspectos nutricionais, os benefícios trazidos para a saúde, se engorda, se emagrece, se pode substituir o pão e blá blá blá, então eu vou seguir o caminho que ninguém pega (porque eu não gosto de muvuca) e explorar um pouco da historinha:

Uma viagem longa para cruzar o Atlântico, sem conforto nenhum a bordo. Quando avistaram esta terra linda, os portugueses deviam estar loucos para pular no chão firme, arrancar suas roupas fedidas e tomar um bom banho. Depois de lavar a alma com água doce farta, aposto que o que mais queriam era uma comida fresca. Imagina só a sensação de então encontrar um monte de gente que nem usava roupa, uma porção de frutas suculentas e água de coco revigorante? Deve ter sido como estar num sonho!

Se foi assim conforme a minha imaginação ou se o desembarque foi tenso como dizem nas aulas de História, só Deus sabe. O fato é que não tinha nada aqui que fizesse lembrar a Europa que eles deixaram pra trás. Indo direto ao ponto a ser abordado, a alimentação dos povos indígenas era um tanto quanto diferente da que eles estavam acostumados. Por exemplo, aqui não tinha trigo (portanto não tinha pão) e o ingrediente que fazia as vezes dele (se fosse feita uma comparação e é claro que eles fizeram) era a mandioca – a qual diferenciavam do aipim e da macaxeira pelo tipo, mas esses dois últimos eram a mesma coisa.

Quanto mais eu leio sobre tudo o que os índios faziam com a mandioca, mais eu me identifico. Não consigo evitar, desculpe, tenho memórias demais.

No quintal da minha casa tinha uma árvore, um Hibisco, e eu fazia um monte de “comidinhas” com as flores, as folhas, as cascas e tudo o que eu conseguia extrair dele. Conforme eu deixasse de molho na água, passasse na peneira, secasse no sol e invertesse a ordem de tudo ou misturasse os produtos entre si etc. e tal, maior era a variedade de pratos e bebidas que eu tinha para alimentar as bonecas ou oferecer para os adultos: “quer uma comidinha?” – chata, muito chata. Eu estava usando a minha intuição de cozinheira e explorando as possibilidades dos ingredientes (ou só brincando e sujando o quintal, para os menos românticos).

É bem isso que as índias faziam com a mandioca. A diferença é que eles comiam o que faziam e eu só fingia (ironicamente, agora eu tomo chá de Hibisco). A Wikipédia tem uma variedade de produtos obtidos da mandioca nas tribos, vale a pena dar uma olhada e certamente você vai sentir que as índias não tinham mais o que pensar em inventar com ela. Até incluir uma mastigadinha no preparo elas fizeram, resultando numa bebida fermentada muito tradicional, o cauim. Confesso que minha criatividade nunca foi tão longe.

Refletindo, acho que é assim que se aprende a usar uma matéria-prima em qualquer lugar do mundo – não cuspindo, mas experimentando todas as formas de uso.

A primeira vez que fui visitar meu irmão no interior da Bahia, para onde ele se mudou há uns dez anos, fiquei achando tudo muito estranho. O bolo era de “puba” e eu pensava: “de fubá?”, enquanto olhava as pessoas com cara de interrogação. Minha cunhada me ofereceu um negócio chamado “beiju” e eu me perguntei: “Será que é uma variação do biju que eu comia na infância, aquele biscoito doce e quebradiço em forma de canudo?”. Custei a compreender que tudo aquilo era feito da mandioca, que eram comidas muito típicas e que os nomes não eram uma cópia barata daqueles que eu estava acostumada a ouvir no Sudeste, mas foram dados há centenas de anos pelos povos indígenas. Compreendi também que eu tinha muito o que conhecer pelo Brasil e que empresas deveriam patrocinar este blog e me levar para viajar com tudo pago.

É incrível como a culinária do Norte e do Nordeste guarda a nossa cultura. Os portugueses que se estabeleceram aqui no Brasil colaboraram muito para que isso acontecesse, porque eles adaptaram as receitas que já conheciam, utilizando nossos principais ingredientes: fécula de mandioca, farinha e puba. Desta forma, aqueles produtos indígenas foram valorizados e passaram  a fazer parte da nossa culinária até hoje.

O beiju ficou registrado pelos portugueses como uma espécie de pão feito da mandioca. Na falta do pãozinho, foi o que lhes pareceu mais familiar pela maneira como era consumido. Eles eram feitos com uma farinha de mandioca sobre uma chapa quente. Essa farinha, com o calor, se juntava toda e virava uma coisa só, como se fosse uma panqueca. As índias iam virando de um lado para o outro até que os beijus ficassem prontos.

Aí, já naquele tempo, lançaram um raio gourmetizador no beiju e ele virou comida de gente fina. Acrescentaram mel, açúcar e o que mais tinham de gourmet na época, e vendiam por 48 dinheiros a unidade – brincadeira.

A receita indígena logo foi assimilada, adaptada e adotada entre os colonos. Como explica Gabriel Soares de Sousa: ‘Estes beijus são mui saborosos, sadios e de boa digestão, que é o mantimento que se usa entre gente de primor, o que foi inventado pelas mulheres portuguesas, que o gentio não usava deles.’ Era comida de índio, mas ao ser reinventado pelas mulheres dos colonos tornou-se fino, iguaria das casas senhoriais, merenda de “gente de primor”. (MOURA HUE, 2009, P.64, grifo nosso)

(O trecho é de um livro muito interessante, sobre o qual vou falar no final deste post.)

Quem poderia dizer que, mais de 500 anos depois do descobrimento das nossas terras, do beiju e do raio gourmetizador, o povo desse Brasil varonil iria voltar às raízes (sem trocadilhos) e encher tanto a boca para falar: “troquei o pão pela tapioca, que não tem glúten“.

Oi? Tapioca?

Onde?

Calma. O beiju é feito com goma de tapioca (fécula de mandioca hidratada), assim como a tapiocaque você está querendo fazer. O beiju é mais torrado e seco, enquanto a tapioca é mais úmida e flexível. Se você deixar a goma de tapioca muito tempo na frigideira, vai passar do ponto de tapioca e acabar virando beiju.

Inclusive, a palavra “tapioca” é derivada de “tipi’óca”, do tupi-guarani, e significa “coágulo”. É bem o que acontece mesmo quando ela é preparada.

Entre os estados do nosso Brasil, existe uma enorme discordância em torno da diferença entre tapioca e beiju. No fim, é tudo farinha do mesmo saco.

Sobre a questão “trocar pão por tapioca”, eu não sou nutricionista e não vou entrar nesse mérito. É muito bom para quem não pode comer glúten, sem dúvidas. Fora isso, prefiro apenas salientar que não há novidade nenhuma no que seu antepassado índio comia há centenas de anos, mas que é muito bom a gente olhar para a nossa cultura com mais amizade.

Como é possível encontrar a goma para tapioca nos supermercados por todo o país (graças a essa moda), você vai fazer sua tapioca em dois tempos. Caso precise, encontrei um post que tem o passo-a-passo para você ir da mandioca ao polvilho doce (que é o mesmo que fécula de mandioca, que faz a goma da tapioca) e polvilho azedo – pessoas que moram fora do Brasil ficarão felizes em fazer este último, ingrediente do pão de queijo (que faz saudade em todos). Aproveite e veja mais detalhes sobre os derivados da mandioca, esses posts são bem legais mesmo.

Não vou dar uma receita exata e nem a quantidade dos ingredientes, porque prefiro ensinar como fazer para que você possa criar suas próprias tapiocas.

Receita de Tapioca: o básico

Ingredientes:

Goma para tapioca (você também poderá encontrar nas embalagens “farinha pronta para tapioca“, “goma de mandioca“, “massa pronta para tapioca“, “goma de mandioca hidratada“. Ela não é uma farinha seca, você consegue perceber que ela é hidratada se mexer no pacote)

Recheio a gosto (queijos, carne seca, frango, carne assada desfiada, presunto, peito de peru,tomates, legumes picadinhos, coco, morango, leite condensado, brigadeiro, Nutella. Use a sua imaginação e o que tiver sobrando na geladeira)

Modo de preparo:

Você deve usar umas três colheres (sopa) de goma para cada tapioca, aproximadamente. A quantidade vai variar conforme o tamanho da sua frigideira e a espessura que você quer que ela tenha.

Antes de colocar a goma na panela, é bom passá-la por uma peneira para evitar os grumos e fazer com que ela fique bem soltinha. Isso é bem fácil, basta uma peneira, uma tigela maior (para não voar tapioca para todos os lados) e aquela habilidade de peneirar areia que você adquiriu no jardim de infância.

Separe também o recheio que você vai usar. A quantidade é por sua conta, mas pense que você vaidobrar a tapioca na metade e que muito recheio pode atrapalhar.

Com a goma peneirada e os ingredientes do recheio separados, acenda o fogo e deixe a frigideira aquecer (vamos usar uma chapa quente, igualzinho as índias faziam). Pode ser em fogo alto, para ser mais rápido.

Poucos segundos depois a frigideira já deve estar quente. Coloque nela uma quantidade de goma de tapioca e espalhe delicadamente para cobrir o fundo e virar um disco. Pode abaixar um pouco o fogo, para não torrar muito por baixo antes de ficar boa a parte de cima.

Ajeite direitinho para que a goma fique bem distribuída e nivelada. Se achar necessário, acrescente um pouco mais da goma de tapioca peneirada e espalhe novamente.

Ah, não é necessário colocar nenhum tipo de gordura para não grudar, nem precisa se preocupar em usar uma frigideira antiaderente. A farinha hidratada vai virar uma goma, mas isso não envolve o fundo da panela.

Você vai logo perceber que aquela farinha que tinha antes vai começar a se aglutinar, de baixo para cima. Quando você achar que não tem mais muita farinha solta na superfície, chegou a hora de virar. Para ter certeza, balance a frigideira um pouco e veja se a tapioca vai sambar pra lá e pra cá soltinha do fundo (espero que você entenda o “sambar”, senão vai esperar eternamente). Não vai ser nada difícil, porque não corre o risco da tapioca quebrar na manobra. A única coisa desagradável que pode acontecer é sujar um pouco o seu fogão com a farinha que ainda estiver solta. Nada que você não resolva rapidinho depois!

Com a ajuda de algum utensílio (eu uso uma espátula), vire a tapioca e abaixe mais o fogo, para dar tempo de você rechear sem que a parte que está agora no fundo torre demais.

Coloque o recheio sobre uma metade do disco. Se ficar muito alto perto do centro, ele será empurrado para fora quando você dobrar.

Com o recheio no lugar, dobre a sua tapioca. Mantenha ela dobrada na panela o quanto quiser. Se tiver queijo para derreter, você pode tampar um pouco para ajudar a abafar o calor. Você já sabe: quanto mais tempo deixar, mais torrada e seca ela vai ficar. Eu deixo o tempo suficiente paraaquecer o recheio (que até já poderia estar quente antes, para adiantar) e derreter o queijo. Para mim, ela tem que ser bem macia.

Não pense que sua tapioca ficará dourada como uma torrada depois de um tempo da frigideira. Ela vai continuar branca, só que dura como um beiju.

Se quiser usar um recheio frio (frutas com mel, por exemplo), pode tirar o disco aberto da frigideira para rechear e dobrar no prato. Você também pode fazer uma pilha com as tapiocas abertas e colocá-los na mesa para as pessoas se servirem (todo mundo vai gostar). Aliás, isso me fez pensar que tapioca macia e quentinha cai bem com uma boa manteiga derretendo sobre ela e mais nada!

Algumas pessoas gostam de passar manteiga sobre a tapioca recheada quente. Eu costumo colocar um pouco de óleo de coco, porque acho que o sabor dele tem tudo a ver.

Antes que você possa me perguntar, a goma para tapioca é perecível e vai ficando azeda com o tempo (pelo cheiro você já vai perceber). O sabor original dela é bem suave, quase doce. Aqui no Sudeste é difícil achar uma goma fresquinha assim, mas você pode fazê-la em casa com polvilho doce (já dei o link com as instruções ali em cima, deixa de preguiça e vai lá ver). Depois de aberta a embalagem, mantenha na geladeira.

Uma última observação: fiquei bem confusa na hora de categorizar este post e acabei colocando em “Panquecas e crepes”. Também achei estranho, mas pareceu melhor do que “Sanduíche”. O que você acha? :)

Agora sobre o livro!

Se você gosta de curiosidades e histórias da nossa comida, vai devorar essas páginas rapidinho!Tem no Google Books, mas é uma versão limitada, não tem todas as páginas digitalizadas. Se quiser a versão completa, você pode comprar em uma boa livraria ou pelo link abaixo:

Confio em ti

musica: confio em ti- Davidson Silva

Música: Confio em Ti (letra completa abaixo)
Autoria: Cristiano Pinheiro
Intérprete: Davidson Silva
Álbum: Desperta

Senhor, meu pobre coração não se elevou senão a Ti!
Senhor, nem mesmo meu olhar buscou para si
Coisas maiores que eu!

Por isso, na confiança e no amor me dou a Ti
Descansarei em Teu coração
Mesmo que todo o mal do mundo eu viesse a cometer
Confiaria em Ti!
Em Teus braços eu me lançaria!

Confio em Ti, minha Esperança!
Confio sempre em Ti! (2x)

Confio em ti minha esperança confio sempre em ti

Bu bomba Türkiye Türkçesi için haber

Bebek şamandıra Türkiye’de denizde başıboş kurtarıldı

On aylık kız Sahil Güvenlik tarafından kurtarıldı.
Ebeveynler şişme oyuncak bebeği terk eden unuttum

Bir bebek bir kilometre uzaklıktaki Çanakkale, Türkiye plaja bir şişme oyuncak yüzen fark edildi. Ebeveyn gözetimi sonra çocuktum hangi şamandıra plaja uzaklaştırmaya başladı. (Yukarıyı görmek).

Brinquedo inflável no qual estava a criança se afastou 1 km da praia (Foto: Hanife Erdinc/Anadolu Agency/AFP)

Brinquedo inflável no qual estava a criança se afastou 1 km da praia (Foto: Reprodução/Twitter/Zaman TV)

On aylık bebek üzerinde güvenle Türkiye Sahil Güvenlik tarafından kurtarıldı. Türk basınına göre, çocuğun anne sadece diğer yüzücüler denizde kız başıboş gelip sonra kızı ne olduğunu fark etti.

Pais esqueceram que haviam deixado bebê em brinquedo inflável (Foto: Reprodução/Zaman TV)

Diğer yüzücüler çocuğu kurtarmaya çalıştı, ancak çünkü güçlü akımı, Sahil Güvenlik arama sona erdi. Çocuğun kurtarma sonra, ebeveynler bir şişme oyuncak bebeği bıraktığı kim onlar unutmuştu itiraf etti.

Imagem aproximada mostra a menina boiando distante no mar (Foto: Hanife Erdinc/Anadolu Agency/AFP)

Momento em que a criança é resgatada e trazida a bordo da lancha da Guarda Costeira (Foto: Hanife Erdinc/Anadolu Agency/AFP)

Bu bomba Türkiye Türkçesi için haber!!!